Sim… eles estão na noite também!

 

Se existe algo que sempre escutamos por aí, é que nossas características se enquadram diretamente com nossos signos!  Criativo, apaixonado pelo que faz, inteligente e bem-humorado, o leonino Maike Robert, 32 anos, fundador de uma startup e sócio do THEKILLA, uma das casas noturnas que mais roubam a cena na cidade de Mogi das Cruzes, ele usa sua experiência de mais de 15 anos na área de marketing para criar soluções nada convencionais neste mercado de baladas.  “Meus sócios já tinham uma mega experiência na indústria do entretenimento e eu entrei com o objetivo de criar um conceito diferente, usando estratégias de marketing para tratar os clientes de forma personalizada”, conta.

Ele enfatizou o fato de que hoje o público jovem está mais exigente, e de que é importante atender seus anseios e surpreendê-los com soluções de qualidade e diferenciadas! Trazendo sua experiência com outros mercados, ele afirma que o importante é não se contentar com o modelo padrão já estabelecido no mercado. “Para empreender e inovar é preciso ser inquieto, olhar de outro ângulo para as soluções atuais e sempre ter tesão pelo que faz”, continua.

ANÁLISE DE COMPORTAMENTO

Deixar uma casa noturna cheia é o que todo empresário do ramo quer, porém, Maike acredita na importância de conhecer estas pessoas que estão lá, entender os seus gostos e anseios. Por isso, ele colocou em prática as análises de comportamento, criou um processo em que semanalmente sua equipe coleta dados do sistema da balada para saber informações sobre o que cada cliente mais consumiu, quanto tempo ficou, a frequência que frequenta a casa e vários outros dados que ajudam a entender o comportamento de cada cliente.

Com base nessas informações eles conseguem entender cada cliente, sabendo qual sua bebida preferida, por exemplo, e usam isso em algumas ocasiões para dar o que ele chama de “brinde perfeito”. Imagine você ganhar exatamente aquela bebida que adora? Eu quero.

 

AÇÕES DE OPORTUNIDADES

Conhecer seu público é fundamental em qualquer negócio, defende Maike, que ressalta que com boas informações é possível pensar também em ações de oportunidades. O que faz com que a fidelidade com o estabelecimento só aumente. Ele também diz tomar cuidado para que o marketing e a tecnologia ajudem as pessoas a ter uma boa experiência com a casa, mas que não atrapalhe a diversão que é o que realmente importa. “O objetivo no final é o cliente se divertir e conseguir fugir um pouco da rotina do dia a dia”.

Na conversa com o Maike fiquei sabendo que tudo o que é falado sobre o THEKILLA nas redes sociais é monitorado, inclusive ele me mostrou um post que fiz sobre a casa no ano passado #medo. Ele disse que assim como grandes marcas, é importante não só ter canais para atender seu público, mas também saber o que eles estão falando sobre você para ter um feedback em tempo real e assim melhorar as festas e o serviço. Além disso, acreditem, existe um processo interno para que todas as mensagens enviadas para eles seja atendida em uma média de 40 minutos. E se não bastasse, caso haja alguma reclamação de alguma cliente, ela deva ser verificada e resolvida em menos de uma semana.

ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO

Não só para criar uma melhor experiência com os clientes, estratégias de marketing também são usadas pela casa noturna que os mogianos amam. Anúncios geo-localizados, uso de técnicas de automação de marketing, vídeos sensacionais (que falaremos mais à abaixo), e tudo o que antes era feito apenas por empresas de outros setores agora é aplicado na casa. O THEKILLA inclusive foi a primeira casa da região a criar campanhas direcionadas no Waze. “As pessoas que estavam indo do Vale, por exemplo, para São Paulo, eram impactadas na estrada e podiam aceitar uma nova rota direto para a nossa casa”, ele conta.

 

PIONEIROS NOVAMENTE….

 

Todo mundo na região já curtiu algum vídeo produzido pelo THEKILLA para divulgar suas atrações, inclusive já tem até casa tentando imitar o estilo do vídeo por aí. Com base na experiência que Maike trouxe de grandes marcas que atendia (como Suvinil, Hopi Hari, Batavo, entre outras), ele considerava inevitável usar vídeos para a divulgação das atrações. “Postagens em vídeo possuem um resultado muito acima do que textos ou imagens, e além de passarem a mensagem que queremos, eles são capazes de trabalhar a lembrança da marca”, conta.

Ele confessa que o grande desafio sempre foi o custo e o prazo para este tipo de produção. “Hoje temos uma biblioteca de imagens que é atualizada constantemente, seja por captação profissional ou por imagens feitas pelos nossos promoters, por exemplo.”, conta.

Pensando nisso criaram uma forma dos clientes participarem dos vídeos da casa, com a intenção também, de homenageá-los.  “Então começamos a conversar com algumas pessoas e todo mundo foi super receptivo. Hoje quem quer participar do nossos vídeos pode mandar um vídeo no WhatsApp da nossa equipe (11 96400-9342) e a gente vai selecionando e publicando conforme a festa ou estilo” finaliza.

“Quanto mais eficiente for nossas estratégias em ações para trazer novos clientes para a casa, menor será nosso custo com isso e esta economia pode ser reaplicada na entrega de um produto melhor”.

Toda ação precisa ser mensurada, por isso Maike conta que o THEKILLA foi a primeira casa noturna do estado a usar a metodologia de pesquisa Net Promoter Score (NPS), que  é usada para realizar a mensuração do grau de satisfação e fidelidade dos consumidores de qualquer tipo de empresa. Se você já recebeu de alguma empresa a pergunta de quanto indicaria ela para um amigo de 0 a 10, é essa ai que estamos falando. “Você precisa entregar um produto de qualidade e manter um atendimento acima da média para conseguir receber uma avaliação acima dos nove dos seus clientes”, justifica.

Além de liderar o time de marketing do THEKILLA, atuar como CEO do AppTicket e ter co-fundado o Alto Tietê Valley, a maior comunidade de Startups, Marketing Digital e Inovação da região, nosso “nerd” ainda arruma tempo para ser pai, marido, escrever alguns textos sobre empreendedorismo e finanças no Medium, dentre outras atividades, se “só” estas já não bastasse. Ele organiza toda essa loucura, seu tempo e suas atividades usando uma metodologia, que inclusive fala dela em um texto no Medium, mas confessa que é uma rotina bem cansativa.